Terça-feira, 24 de Março de 2009
Preconceitos/filme – Bill Elliot

 

Preconceitos/filme – Bill Elliot
 
                O filme fala de um menino que era o Bill Elliot que pratica boxe num ginásio, e ao lado há aulas de Ballet, e ele ou ouvir a música do outro lado do ginásio foi ver como eram as aulas, e ele começou a gostar do que via, e começou a experimentar, a professora começou a olhar para ele a dançar e vê que tem boas características para o ballet. Só que os preconceitos falaram mais alto, começou a pensar que aquilo era para meninas, e o homem ou rapaz que praticasse aquele tipo de dança era para homossexuais. Mas a professora de ballet Mrs. Wilkinson ao ver aquele potencial o seu ballet renasce e explicando e insistindo para que ele vá para as aulas. Bill aceita e nos dias que ele era para ir para as aulas de boxe ele vai para o ballet sem o pai Gary Lewis saber. No entanto o seu melhor amigo, com quem Bill andava sempre, começou a ter tendências de ser homossexual, e mesmo assim o Bill, não deixou de ser mais amigo dele por causa disso. Um dia seu pai ao ir ver uma aula de boxe, encontra-o a fazer ballet e leva-o para casa logo de imediato com toda a brutalidade. Em casa já com um ambiente de morrer por causa das greves dos mineiros, onde o irmão é uns dos “cabecinhas” da greve. O pai estava muito irritado com o filho porque dizia que não o queria ver a fazer ballet porque era para meninas e homossexuais, tendo o irmão mais velho a mesma opinião. Bill Elliot apesar de o pai e o irmão não querem que ele continua-se com o ballet, mas ele continua às escondidas, porque Gary Lewis insistiu com ele, porque tinha boas características. A professora de ballet depois quis levar o Bill para uma escola muito boa de ballet o prestigiado Royal Ballet, que depois a professora foi tentar convencer o pai para o deixar ir fazer os testes, mas o pai dele não quis saber nada disso e não o deixou ir. Um dia Bill mais o seu amigo, estavam os dois a brincar no ginásio onde praticava ballet, onde depois um amigo do seu pai o vê que ele está a dançar e chama o Gary Lewis para ir ver o que o seu filho estava a fazer. Ao entrar no ginásio o Bill e o seu pai param frente de um para o outro, e de repente apanha toda a coragem e começa a dançar frente ao pai. O pai espantado e maravilhado ao ver o seu filho dançar não lhe diz nada e vai-se embora. Mais tarde o pai de Bill vai trabalhar para arranjar dinheiro para o seu filho ir à escola Royal, mesmo contra o filho mais velho, que era o que estava a frente das greves. O pai de Bill consegue leva-lo à escola de Ballet mas ele chumba na sua primeira vez. Na segunda vez que lá vai, ele entra para a escola e fica um grande bailarino.

            Este filme mostra que não devemos julgar as pessoas pelo que vemos e por o que elas fazem, porque podem ser falsas.

sinto-me: Fixe
publicado por Psicologia A às 21:27
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Março de 2009
Representações Sociais

 

                                    Representações Sociais
                È um conjunto de explicações, crenças e ideias partilhadas colectivamente e que são produto das interacções sociais.
 
Origem das representações sócias
                - Objectivação: É um mecanismo de apropriação através do qual representações complexas e abstractas tornam mais simples e concretas. A objectivação implica:
                               - Escolher os elementos de uma teoria que sejam mais relevantes;
                               - Os conceitos complexos são substituídos por imagens; (ex. A estrutura da mente associa-se ao um iceberg) ou/e (o conceito de paz associa-se à pomba branca);
                Em suma os elementos abstractos e complexos são transformados em imagens concretas.

                - Ancoragem: Qualquer informação para ser compreendida necessita de pontos de referência, nos quais se alicerça e se torna compreensível; (Ex. A sida é a peste negra do século XX). Estamos a ancorar a nova informação (sida) numa informação já conhecida (peste) que lhe dá uma significação mais concreta.

publicado por Psicologia A às 20:29
link do post | comentar | favorito
Obediência

 

Obediência
                É uma mudança de comportamento de forma directa de outro q quem é reconhecida a autoridade. Já não se trata de ser influenciado por um grupo como acontecia com o conformismo.
                O sentimento de ser agente de outra pessoa pode servir para justificar comportamentos. A obediência acontece quando as pessoas se sentem responsáveis pelas usas acções porque agem sobre as ordens de uma autoridade. Esta sim assume as responsabilidades dos actos.
 
Factores que influenciam a obediência
                - A proximidade com a figura da autoridade: Quanto mais presente estiver a figura da autoridade, maior é a obediência;
                - A proximidade da vítima: Se houver contacto visual ou auditivo com a vitima da acção, a obediência diminui;
                - Legitimidade da figura da autoridade: Quanto mais for reconhecida a autoridade, quanto maior for o seu estatuto maior é a obediência;

                - A pressão do grupo: A posição do grupo pode aumentar ou diminuir o efeito da autoridade.

publicado por Psicologia A às 20:26
link do post | comentar | favorito
Preconceito

 

Preconceito (Pré-Julgamento)
 
                           Estereotipo                            Avaliação negativa
 
                                     Afectiva
                                    
                                           Comportamental (discriminatório)
 
Preconceito
 
         Literalmente significa pré-julgamento, tal como o estereótipo, tem a categorização social como base a sua constituição:
                   - Distingue-se do estereótipo porque não se limita a atribuir características a um determinado grupo: envolve uma pessoa;
                   - O estereótipo fornece os elementos cognitivos, o preconceito acrescenta-lhe uma componente afectiva, avaliativa, normalmente esta avaliação é negativa;
                   - O preconceito tem uma terceira componente que se refere à orientação do comportamento face à pessoa ou grupo vítima de preconceitos:
         -Normalmente esse comportamento é discriminatório.
         -Os preconceitos aprendem-se num processo de socialização.
         -Os preconceitos são tanto maiores quanto menores é o conhecimento da realidade.
publicado por Psicologia A às 20:19
link do post | comentar | favorito
Influência Social

 

Socialização
(normas/regras)                             Primária – Aprendemos regras fundamentais para a sociedade;
                                                              
                                                               Secundária – Quando acontece a mudança de ambiente;
Agentes de Socialização
                   São agentes/grupos que nos ensinam (pais, professores…);
 
Influência Social
                   Vivemos em sociedade integrados em grupos, no contexto do grupo – a escola, família, grupo de pares – fazemos as nossas aprendizagens. É pelo processo de socialização que aprendemos e interiorizamos normas/valores e atitudes que influenciam os nossos comportamentos.
                   Um comportamento é influenciado socialmente quando ele se modifica por acção de outrem.
                   A socialização implica a interiorização das regras com normas aceites pela sociedade, estas regras acabem por ser seguidas de uma forma automática, tal ponto que não nos apercebemos da influência que exercem em nós.
 
Normalização
                   É um processo colectivo de elaboração de regras quando estas não existem ou não são reconhecidas colectivamente. A ausência de normas é geradora de desorientação. As normas reduzem a ambiguidade e estabelecem a segurança porque definem o que se deve fazer. Sem normas a vida social seria impossível.
 
                   As normas reflectem o que é socialmente desejável. Definem módulos de comportamento, graças às normas os comportamentos são uniformizados, ou seja, todos se comportam da mesma maneira. Desta forma sabemos o que esperar dos outros. Normalmente sentimos grandes resistências em quebrar regras.
 
 
Funções de representações sociais
                   - Saber: As representações sócias dão uma explicação e um sentido à realidade, serve para os indivíduos praticarem e compreenderem a realidade;
                   - Orientação: As representações sociais são um guia para os comportamentos, a função de saber repercute-se ao nível da acção;
                   - Identitária: Permite a construção de uma Identidade Social, ou seja, o posicionamento face aos diferentes grupos, permite distinguir o grupo que os produz dos outros grupos;
                   - Justificação: As representações sociais permite os indivíduos explicarem e justificarem as suas acções e opiniões.
 
Conformismo
                   É uma forma de influência social que resulta do facto de uma pessoa mudar o seu comportamento por efeito da pressão de um grupo. (Mudamos de opinião devido à opinião do grupo).
                               - Unanimidade: O conformismo é maior nos grupos onde à unanimidade, basta haver no grupo um aliado que tenha uma opinião diferente para os efeitos do conformismo serem menores;
                   - Resposta pública ou privada: O conformismo aumenta quando a resposta é dada publicamente;
                   - Ambiguidade da situação: A pressão do grupo aumenta quando não estamos certos da resposta certa/correcta;
                   - Importância do grupo: Quando mais atractivo o grupo para a pessoa maior será o conformismo;
                   - Auto-estima: Pessoas com nível mais elevado de auto-estima são menos conformistas porque confiam mais nas suas opiniões;
 
Conformismo normativo
                   Tendência para um indivíduo adaptar o comportamento do grupo para não sofrer a sua pressão.
 
 
Conformismo informativo
                   Tendência para aceitar a informação dada pelos outros como verdadeira.
 
As experiências do Sherife
                   Numa situação marcada pela incerteza, os sujeitos estimulados individualmente tentam criar uma norma. Posteriormente são colocados numa situação de grupos e fazem convergir as normas individuais para as normas de grupo.

                Numa segunda fase da experiência é criado primeiro uma norma de grupo e posteriormente os indivíduos são colocados da mesma situação. Neste caso as normas do grupo continuaram a ser usadas mesmo na sua ausência do grupo. Sherife conclui que os grupos são geradores de normas para a relação dos indivíduos com meio que os envolve.

sinto-me: Bem
publicado por Psicologia A às 20:06
link do post | comentar | favorito
Cognição Social

 

Cognição Social
 
                     Impressão/percepção
                                                   
                                                 Ideia geral
                                                   
                                                 Categorização – É um grupo
                                                   
                                                  Indícios
 
Cognição Social
              Conjunto de processos cognitivos que estão na base do modo como encaramos os outros, a nós próprios e à forma como interagimos.
 
Impressões
              São processos através dos quais se organiza a informação acerca de outra pessoa de modo a integrá-la.
 
Categorização
              Consiste no agrupamento de objectos, pessoas ou situações em diferentes classes segundo as suas diferenças e semelhanças. É um processo psicológico que ordena o ambiente.
              A categorização permite simplificar a complexidade do mundo social. Quando incluímos uma pessoa numa determinada categoria, essa categoria contempla geralmente 3 tipos de avaliação:
                        - Afectiva: Gostamos ou não da pessoa;
                        - Moral: A pessoa é boa ou má;
                        - Instrumental: Competente ou incompetente;
Indícios
              Formamos as impressões a partir de certos indícios:
                        - Indícios Físicos: Alta, magra, loura, gorda. Certas características podem remeter para determinado tipo de personalidade ou categoria social;
                        - Indícios verbais: O modo como a pessoa fala surge de indicador, por exemplo, de instrução;
                        - Indícios não verbais: O modo como a pessoa se veste ou a sua gestualidade;
                        - Indícios comportamentais: O conjunto dos seus comportamentos.
              A partir destes indícios, formamos uma impressão global representada numa determinada categoria.
                       
Efeito das primeiras impressões
                        - Persistência: A primeira impressão tem tendência a manter-se mesmo quando as informações posteriores a contradizem.
 
 
 
Expectativas
              Da primeira imagem com que ficamos de uma pessoa, criamos expectativas.
              Expectativas são modos de caracterizar as pessoas, provendo o seu comportamento e atitudes.
              Efeito das expectativas       
                        Normalmente as expectativas positivas geram comportamentos positivos.
                        As expectativas que temos influenciam os nossos comportamentos positivos. Em resposta, o outro pode desenvolver uma melhor auto-imagem.
                        Comportamo-nos tendo em conta o que os outros esperam de nós.
 
Estereótipos
           Crenças a propósito de características, comportamentos ou atributos dos membros de um determinado grupo.
              Na base dos estereótipos está um processo de categorização. O estereótipo aplica-se a um grupo.
 
              Função dos estereótipos:
                   - Função sociocognitiva: Fornecem-nos informações em relação às características de um determinado grupo, ordenando o real e dando-lhe um sentido.
                        - Função socioafectiva: Relaciona-se com o sentimento de identidade social. Reconhecemo-nos enquanto pertencentes a um grupo com o qual nos identificamos.
              Características dos estereótipos:
                        - Simplicidade: As imagens veiculadas pelos estereótipos são pobres.
                        - Uniformidade: O estereótipo é uniforme num dado grupo.
                        - Tonalidade afectiva: Nunca é neutro, ou é favorável ou não;
                        - Durabilidade e constância: Tem tendência a perpetuar-se no tempo;
                        - Preganância: O grau de adesão é variável. Adesão superficial ou profunda;
 
Atitudes
              Uma atitude não é um comportamento mas uma predisposição, uma tendência relativamente estável para uma pessoa se comportar de uma determinada maneira. Corresponde à nossa posição relativamente à realidade social.
              As atitudes permitem-nos interpretar, organizar as informações. O mesmo acontecimento é interpretado de maneiras diferentes consoante as atitudes dos indivíduos.
             
              Comportamentos das atitudes:
                                   - Componente afectiva: Constituída pelo conjunto de ideias, informações ou crenças que se têm sobre um dado objecto social.
                                   - Componente comportamental: Conjunto de reacções, de respostas, face ao objecto social.

            As atitudes enquanto dispostas para agir de determinada maneira dependem das crenças e valores que se tem relativamente ao objecto social.

sinto-me: Bem
publicado por Psicologia A às 19:54
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Domingo, 22 de Março de 2009
Primeira impressão errada

 

Primeira impressão errada
 
- Relato dos indícios e interpretação/categorização feita;
                       
            Há uns anos a minha mãe foi trabalhar para casa de uma senhora, como empregada doméstica. Essa senhora tinha um filho, e quando a minha mãe o viu pela primeira vez teve uma má impressão sobre ele, pensava que era uma má pessoa que não tinha respeito por ninguém e que era um drogado qualquer, só porque ele se vestia de uma forma à “dred”, os indícios não verbais. Como via as outras pessoas que se vestiam como ele, calças ao fundo dos glúteos e a ver-se os boxers, blusas rasgadas, etc.
            Quando o conheceu melhor via-se que era uma pessoa inteligente – indícios verbais, era uma pessoa educada, que sabia estar – indícios comportamentais.
            A minha mãe depois disso nunca mais julgou uma pessoa pela aparência. Essa pessoa agora trabalha numa biblioteca em Inglaterra e tem um mestrado em Literatura.
sinto-me:
publicado por Psicologia A às 21:00
link do post | comentar | favorito
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
.posts recentes

. Pesquisa da Obediência

. Pesquisa conflito e coope...

. Mapa - Obediência

. Mapa - Intimidade

. Mapa - Amor

. Mapa - agressão

. Cidade de Deus - Filme

. Glossário

. Conceitos

. Preconceitos/filme – Bill...

.arquivos

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

blogs SAPO
.subscrever feeds